Ishida Sensei em sua forja em Mariporã, São Paulo. CLIQUE NAS SETAS PARA MAIS FOTOS.
Tomizo Ishida Sensei Mestre Forjador "Eu posso fazer melhor!"
TOMIZO ISHIDA SENSEI

Tomizo Ishida Sensei - Katana Kaji - Mestre Forjador de Espadas Japonesas.

Esse website é uma homenagem dos amigos de Tomizo Ishida Sensei e sua esposa Luzia Ishida San ao mestre espadeiro.

É também dedicado aos brasileiros, especialmente aqueles que cultivam artes marciais, como o Kendo e Iaido (artes de esgrima japonesa), para que possam conhecer o exemplo de vida de um mestre que abraçou o Brasil como poucos japoneses erradicados fizeram.

Tomizo Ishida é a melhor imagem que podemos fazer de um nobre cavaleiro samurai, em palavra e conduta.

"A espada não é a alma do samurai.
A alma do samurai é que é a espada!"
- Mestre Akira Tsukimoto


Aqueles que se interessarem por obter uma katana, há muitas fontes. No entanto, os que desejarem obter uma jóia de inestimável valor material e espiritual, Ishida Sensei continua ativo e operoso. Contatos para essa finalidade podem ser realizados com:
Luiz Ishida: luiz@formar.com.br 11-9477-6990
Airton Gaia: airtonrgaia@terra.com.br 11-9658-6060.


O texto que segue foi editado a partir do belíssimo artigo "O último espadeiro de uma linhagem" de Laércio Gazinhato.

A origem de um Katana Kaji, Mestre Forjador.

Tomizo Ishida Sensei pode ser considerado o mais criativo e inovador dos artesãos japoneses que produziram katana no Brasil. Nasceu em Gumma, próximo a Tóquio, em 24 de novembro de 1924, tendo chegado ao Brasil com seus pais em 1933, para trabalhar em uma fazenda de Mirandópolis, São Paulo.

Desde sua infância, Tomizo Ishida Sensei teve fascinação por espadas japonesas, embora não descendesse de uma família de "espadeiros".

Em 1949, aos 25 anos, Tomizo Ishida Sensei resolveu vir para a cidade de Mairiporã (a 50 km da capital paulista). Poucos anos depois tornou-se relojoeiro e ourives, abrindo seu próprio negócio.

Apenas em 1962 que Ishida Sensei decidiu se iniciar na produção de espadas japonesas. Foi de forma amadora que começou a produzir exemplares de katana, wakisashi e tatchi, baseando-se apenas em livros que parentes do Japão lhe enviavam. Posteriormente, teve contato prático com Oda Sensei e Oura Sensei, renomados artífices de espadas japonesas no Brasil.

Ao longo dos anos, Ishida Sensei se tornaria conhecido não só por forjar boas katana, mas também por produzir furnituras tais como tsuba, fuchi, kashira, menuki e saia, itens que naquele momento eram considerados os mais aprimorados dentre os oferecidos pelos mestres espadeiros japoneses radicados no Brasil.

Tomizo Ishida Sensei foi, desde o início de sua atividade de katanakaji (forjador de katana), inovador em suas criações, tendo desenvolvido um método próprio de trabalho, interpretando as clássicas espadas japonesas e adaptando-as ao seu estilo e experiência pessoal como praticante de Iai Do (estilo de esgrima japonesa, bastante diferente do Kendo conforme o conhecemos hoje, que se caracteriza pelo saque preciso, rápido e fulminante). Assim, a maioria das criações de Ishida Sensei fugiu de algumas regras convencionais e ortodoxas que essas clássicas espadas têm. Entre as mudanças destacam-se:

  • O orifício da passagem do pino (mekugi-ana) que trava a lâmina é sempre colocado um pouco mais para trás do que o habitual. Dentro da geometria de suas katana, Ishida Sensei entendia que isto as travava melhor e de forma mais "sólida".
  • A espessura da lâmina é levemente menor e a largura pouco maior do que os padrões tradicionais, tendo em vista o entendimento de que os aços modernos são naturalmente de melhor qualidade, e que tudo isso proporcionaria um equilíbrio mais adequado ao sabre.
  • A linha de têmpera é mais alta do que a convencional. Alguns katanakaji modernos do Japão também adotaram essa técnica a partir de 1960, quando lá reiniciou-se oficialmente a produção de espadas; com isso, eventuais pequenos "dentes" da lâmina poderão ser retirados no re-polimento sem diminuição consistente da área temperada.
  • Em algumas criações especiais ou para uso pessoal, o primeiro seppa (espaçador), aquele na junção entre a empunhadura e a tsuba, é em couro laqueado. Segundo Ishida Sensei, o objetivo é amortecer mais as vibrações ocasionadas por golpes, que, de outra forma, seriam forçosamente passadas às mãos do espadachim.

A técnica de forja de Ishida Sensei.

Assim como Kunio Oda, Ishida Sensei forjava suas espadas na técnica maru-gitae inicialmente usando aço carbono 1045, posteriormente passando ao aço do tipo RCC (designação comercial; equivalente ao atual VC-130) por seu maior conteúdo de carbono.

A criatividade de Ishida também podia ser observada no hamon de suas katana, pois o artesão o produzia em 3 (três) tipos: gunome (sucessão de picos irregulares), notare (ondas) e suguha (quase reto).

Nas furnituras que decidiu produzir, a preferência de Ishida recaiu naquelas de "estilo primitivo", rústicas mas muito robustas, a maioria sendo fundidas a partir de moldes que o próprio artesão, como ourives que era. A marcante preferência do artesão por motivos de dragões era revelada nas kashira (pomos) e nos menuki. Os fuchi (calços) com a figura de um sábio japonês lendo escrituras sagradas foram uma constante a partir do final da década de 1970.

Por ser praticante de Iaido do estilo Shinto Ryu (mesmo estilo praticado pelo Mestre Akira Tsukimoto), Ishida Sensei desenvolveu especial predileção pela manufatura de uchigatana (literalmente, espadas de combate), com lâmina de comprimento entre 53 e 62 cm, e é neste tipo que encontram-se algumas de suas mais refinadas criações.

Para seus uchigatana, Ishida Semsei chegou a desenvolver um tsuba próprio, inspirado num original muito antigo, o qual acabou tornando-se uma das preferidas da clientela. Embora obtida por boa fundição, os detalhados desenhos de flores, folhas, bambus (que por vezes tornavam-se feixes de palha) e a rede de pesca vazada em cerca de 50% de sua área exigiam do artesão demorado e detalhado trabalho de retoque.

Seus habaki (ou colarinhos da lâmina) são sempre de cobre, lisos, imediatamente reconhecidos por generosa espessura e um pronunciado chanfrado na parte dianteira, para facilitar sua entrada na bainha.

Ishida Sensei usou tanto same (pele de arraia) importado quanto nacional e era relativamente freqüente o artesão tratar os de granulação fina com laca dourada em técnica similar a usada no Japão feudal para montagens de alto luxo, o que lhes concedia uma aparência mais destacada. Entretanto, Ishida Sensei apenas usou fitas importadas, de seda ou algodão, mas a maioria na cor negra.

A quase totalidade das criações de Ishida apresenta montagens completas, do tipo bukezukuri (literalmente, ao modo da casa dos samurais).

Ao contrário das saia (bainhas) da fase inicial, só negras, pintadas, criações das fases intermediárias (a partir de 1978) e final as apresentam em lacas de cores variadas, mas com nítida preferência pela aplicação de grânulos pequenos e esparsos de purpurina multicolorida, também como algumas originais antigas de alto luxo.

Ishida Sensei apenas assinou criações cuja lâmina tivesse o desenho de um detalhado dragão numa das faces, lavração que ele mesmo executava a buril. Na maioria das demais criações, usou marcas de lima do tipo katte-sagari (levemente inclinadas), nos nakago cujas formas eram, na maioria dos casos, comuns (futsu), com cortes terminais em "V" irregular (iri-yamagata) ou em linha reta (kiri).

Reconhecimento do Forjador Mestre Espadeiro.

Yoshisuke Oura considerava Ishida Sensei como um discípulo forjador e o tratava com respeito, sendo também freqüentes os cumprimentos pela alta qualidade de suas bainhas e o desenvolvimento de furnituras elaboradas. Quando Oura faleceu em 2000, uma das coisas que legou a seu filho Haruo foi um conjunto de 3 tsuba especialmente confeccionadas por Ishida Sensei e que dele havia ganho.

Em 1988, com as comemorações oficiais dos 80 anos da imigração japonesa para o Brasil, Ishida foi comissionado pelos organizadores das festividades para confeccionar uma espada alusiva ao fato. O artesão forjou então uma soberba lâmina e para ela projetou uma montagem totalmente executada em bambu e com fitas de couro, como algumas raríssimas originais pós 1860. Essa inusitada criação, Nagasa de 78 cm, foi exposta durante boa parte daquele ano no famoso Bunkyo da Associação Cultural Japonesa, no bairro da Liberdade.

Em 1991, ele e sua esposa foram agraciados pela sociedade japonesa no Brasil com os títulos de comendadores grã-cruz por sua contribuição às artes nipônicas no Brasil.

Em sua primeira fase, produziu cerca de 350 espadas e informou que de tanto forjar lâminas durante longos períodos sem interrupção comprometeu muito a audição de um dos ouvidos. O artesão teve 3 filhos homens, mas nenhum seguiu seu ofício.

A partir do final da década de 1980, Tomizo Ishida Sensei diminuiu muito a produção das katana, vindo a encerrá-la oficialmente em 1992. Entretanto, a partir do final de 2004, felizmente, Ishida Sensei retomou a produção de espadas em edição limitada de suas famosas katana.



Detalhes para compra de uma legítima katana de Ishida Sensei podem ser obtidos com:
Luiz Ishida: luiz@formar.com.br 11-9477-6990
Airton Gaia: airtonrgaia@terra.com.br 11-9658-6060.